Disponível Brevemente

Comentário ao XIV CURSO INTERNACIONAL de CIRURGIA RECONSTRUCTIVA DA ANCA Por Costa Ribeiro

Excelente reunião que poderá ter constituído um virar de página na cirurgia da anca e que vai marcar por certo todos os que nela empenhadamente participaram. 

Bem concebida, estruturada e magistralmente interpretada por todos os participantes. 

Reuniu nomes prestigiados da Cirurgia da Anca, americanos e europeus. Entre outros, citamos: Harris, Paprosky, Cabanela, Berry, Bourne, Sedel, Giacometti, Timperley, Gardeniers. 

Não existiram comunicações livres, apenas contribuições em Mesas-Redondas pré formatadas. 

Não se perdeu tempo nem energias com dados e casuísticas pessoais, impossíveis de comparar e por vezes até contraditórias. 

Casos e dados apenas q.b. e somente para fundamentar IDEIAS. E foram estas as protagonistas da Reunião. 

Uma reunião de debate e reflexão. 

Falou-se apenas de Ortopedia da Anca que o mesmo é dizer Artroplastias, pois são conceitos sinónimos. 

As conclusões a que se chegou, e todas elas de grande consenso, poder-se-ão resumir assim:


• As grandes osteotomias femorais são cirurgias já do século passado. Algumas osteotomias periacetabulares ou outros procedimentos cirúrgicos descompressivos poderão ainda ter lugar, sobretudo se apoiados em novas tecnologias e em novos desenvolvimentos biológicos, como expediente para ganhar tempo.


• As PTA’s ganharam finalmente o seu espaço. Com o aumento da esperança de vida e a crescente exigência de qualidade para esses anos extra de vida, serão o tratamento do futuro próximo.


• A fixação femoral e acetabular estão resolvidas. Cimentar ou não cimentar será opção de cada um desde que as respectivas técnicas sejam utilizadas com o necessário rigor técnico. Aí reside o primeiro grande desafio: preparar cirurgiões que dominem a técnica da PTA primária e sejam capazes de rever aquelas que implantaram.


• As grandes questões põem-se hoje na articulação e centram-se nos pares tribológicos e nos diâmetros das cabeças. Sendo certo que os novos polietilenos “crosslink” se têm revelado extremamente fiáveis, é para aí que teremos de centrar as nossas atenções. Esse é o segundo desafio.


• Esta caminhada bem sucedida de 40 anos não se fez sem percalços. Com ela contribuímos também para o desenvolvimento de uma nova doença iatrogénica para a qual teremos de encontrar solução: a PPO (“peri prosthetic osteolysis”). Eis o terceiro desafio.


• Pode dizer-se hoje com segurança que a grande maioria dos insucessos mecânicos de uma PTA nos primeiros 5 anos são devidos a má técnica cirúrgica e são tanto mais frequentes quanto menor for a experiência do cirurgião. É preciso assumi-lo com frontalidade, pois as Revisões de Próteses Primárias estão a constituir um sério problema de Saúde Pública, impossível de suportar pelos orçamentos públicos.


• À semelhança do que já vem sendo feito por alguns, é necessário alargar a todos os países a implementação e manutenção dum Registo Nacional de Próteses que nos dê a conhecer a nossa realidade, nos sirva de apoio á investigação clínica, nos alerte precocemente para desvios indesejáveis, nos oriente no estabelecimento de padrões de qualidade e que nos sirva de ferramenta para procurar protocolos de procedimentos mais eficientes de modo a contribuir para a contenção da escalada de custos nesta área da Saúde.


• Finalmente estamos a assistir a interessantes desenvolvimentos do conhecimento biológico que nos permitem alimentar a esperança duma reviravolta num futuro próximo que venha a repor o” suspense”. Quem ganhará? A PRÓTESE ou a ARTICULAÇÃO? HARRIS adiantou um prognóstico que seguramente não será para os seus dias: “Joints will prevail”.


Secção para o Estudo da Patologia da Anca
  • Mensagem do Coordenador
  • Scores
  • Controvérsia do mês
  • Corpos Directivos
  • Programa Educacional / Encontros científicos
  • Eventos Nacionais e Internacionais
  • Comentários
  • Notícias
  • Links
  • Contactos
  • Ficha de Membro da Secção
Contactos
Rua dos Aventureiros
Nº 19 B
Parque das Nações
1990-024 Lisboa - Portugal
Tel. +351 21 895 86 66
Tlm. +351 93 812 79 79
Fax +351 21 895 86 67
Emails:
Geral: spot@spot.pt
Direcção: direccao@spot.pt
Agenda
Tem dúvidas?
2017 © Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia